Blog / Livre Pensamento

A ratazana com PhD

Livre Pensamento 17/11/2014

Por  Luiz Felipe Pondé

Imagine que você está numa reunião de colegiado de qualquer universidade brasileira. Desafio você a contar quantas vezes ouvirá a palavra “alunos” ao longo da reunião. Provavelmente, nenhuma ou quase nenhuma. Refiro-me aqui especificamente ao universo do mestrado e do doutorado.

Perguntará o leitor assustado: “Como assim? A universidade não foi feita para os alunos??!!”. Responderá o professor: “Coitadinho dele, ingênuo. Não: a universidade existe para fazer relatórios burocráticos que supostamente medem a qualidade da pós-graduação. Servimos a burocracia da produtividade e só isso”.
Se Kafka vivesse hoje, escreveria um conto no qual nós, acadêmicos, seríamos representados como ratos aterrorizados pela grande ratazana “empoderada” (essa palavra horrível que alguém inventou em alguma noite em que vomitava continuamente…), rainha de todos os burocratas, seres nascidos para tornar qualquer criatividade real inviável. A originalidade é perseguida a pauladas nos corredores das universidades.

O aluno é a variável menor porque ele não “conta” ponto nenhum para a Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), apenas como médias quantitativas que medem a rapidez com a qual mestrados e doutorados são concluídos.

Se for uma universidade pública, então, em que o salário não depende do número de orientandos e de alunos em sua disciplina, o aluno é menos importante do que banheiros limpos. Se for numa privada, ele contará, é claro, nos contratos dos professores como números que garantem salários. E só.

E o aluno, como todo miserável numa cadeia alimentar em que é a parte mais fraca, sonha virar predador: submete-se ao matadouro porque quer passar em algum concurso. Mas, se quiser, trate de arranjar alguém que manipule uma banca a seu favor. Além, claro, de atender às exigências da ratazana rainha.

Todo professor sabe que deve correr atrás de pontuar nos relatórios porque, inclusive, se não o fizer, derruba a nota do seu departamento, e isso será punido das mais diversas formas. Você até pode dar uma aula medíocre, repetindo conteúdos ou fazendo o aluno dar seminários no seu lugar. Isso em nada impacta a “produtividade”. A ratazana rainha só enxerga números.

Mas ainda é possível pensar a educação a sério. Livros como o da jornalista Amanda Ripley “As Crianças Mais Inteligentes do Mundo e como Elas Chegaram Lá”, do selo editorial Três Estrelas, do Grupo Folha, mostra que, no ensino médio, nem sempre quantidades implicam qualidades (vale muito a pena ler esse livro se você está interessado em superar as bobagens de autoajuda e as tecnobobagens aplicadas à educação, na moda aqui no Brasil). Ainda que o livro se ocupe do ensino médio, ele pode servir de luz para o tema em geral.

Espero que um dia superemos esse paradigma vazio das “listas qualis” que, na realidade, aferem nada, em termos de conteúdo, do que significa a relação com a formação do aluno. Por quê? Simples: porque, mesmo que publiquemos muito segundo parâmetros qualis’, a qualidade do ensino de pós-graduação no Brasil é cada vez mais burocrática.
O problema é que ficamos tão atolados com medo dos relatórios contínuos (todas as plataformas X, Y e Z) que pouco importa o desejo de conhecimento dos alunos. Sei: cometi um pecado romântico ao dizer isso. A produção na universidade é industrial do tipo salsichas. Puro capitalismo chinês. E capitalismo chinês é assim: TVs, carros baratos e gente estúpida, correndo da ratazana devoradora de almas.

P.S.: na semana passada, como disse, suspeitava de que o nome da entrevista de Freud sobre seu desinteresse acerca da vida após a morte não fosse “A Transitoriedade” –que é, na verdade, um texto dele mesmo sobre a impermanência das coisas (que era o tema mesmo de que tratava a coluna).

Uma amiga psicanalista me mandou a referência precisa: “O valor da vida. Uma entrevista rara de Freud”. Nessa entrevista, dada em 1926 ao jornalista George Sylvester Viereck, ele diz precisamente o seguinte: “Estou muito mais interessado neste botão do que no que possa me acontecer depois que estiver morto”. Amém, digo eu.

Luiz Felipe Pondé, pernambucano, filósofo, escritor e ensaísta, doutor pela USP, pós-doutorado em epistemologia pela Universidade de Tel Aviv, professor da PUC-SP e da Faap, discute temas como comportamento contemporâneo, religião, niilismo, ciência. Autor de vários títulos, entre eles, ‘Contra um mundo melhor’ (Ed. LeYa). Escreve às segundas.

Artigo publicado na Folha de São Paulo.

Comentários

Inscreva-se para receber conteúdo sobre Psiquiatria e Saúde Mental

Cadastrar