Blog / Artigos

Cuidando do Cuidador | Por Victor Pablo

Artigos 06/09/2016

As dificuldades e estresse de lidar com pacientes com transtornos psiquiátricos podem ser tantas que, muitas vezes, existe o risco do cuidador se deixar envolver e adoecer no processo é grande.   O psiquiatra Victor Pablo falou sobre a importância de “cuidar do cuidador” no primeiro evento do Encontros Holiste.

O núcleo familiar pode ser considerado um organismo que se organiza conforme as características dos seus indivíduos e pelas relações de afeto, repulsa, desejo e poder. Alterações drásticas dentro do núcleo tendem a desestruturá-lo, num primeiro momento, mas são seguidas por esforço para a sua reorganização.

Nos transtornos do desenvolvimento, como o autismo e o retardo mental, a relação familiar já parte de um princípio de cuidado e prevenção de danos desde a primeira infância, o que pode tornar o convívio menos desgastante. Porém, as grandes síndromes psiquiátricas e transtornos de dependência química afetam o indivíduo no início da vida adulta ou durante a terceira idade, o que frustra as expectativas da família em relação ao indivíduo, decorrente de sua perda de autonomia e sua inesperada dependência de cuidados específicos. Na evolução natural da crise para a fase crônica, um elemento familiar espontaneamente ocupa o papel de cuidador, muitas vezes a mãe, a filha, a esposa ou a secretária doméstica.

Perguntas, constatações e exclamações surgem com este problema: “Ele nunca mais voltará ao normal?”; “Estou no meu limite, vou enfartar!”; “Onde eu errei na educação desse moço?”; “Não sabia que era uma doença, por isso se agravou.”; “É culpa minha sim!”; “Ele não aceita o tratamento e não percebe que tem uma alteração mental. O que fazer?”; “Transtorno mental é para a vida toda?”; “Como cuidar também de mim?”; “Ele nunca se responsabiliza por si”; “Estou sozinha pra cuidar dele”; “Ele sempre vai ter mais crises?” – Mas, quais destas questões são justas com o cuidador? É preciso ter a real noção das causas e características do transtorno mental que acomete o paciente, para que o cuidador não se sinta culpado ou mesmo responsável por ele.

 

CUIDANDO DE SI

Por mais amor que tenhamos pelo ente adoecido existe um limite para exaustão relacionada ao ato de cuidá-lo.  Entre os indicadores de que o cuidador chegou ao seu limite no manejo do paciente estão: a fadiga fácil, a diminuição da habitual capacidade de relaxar ou sentir prazer, insônia, queda da produtividade profissional, isolamento social, sintomas dolorosos, desenvolvimento de sentimentos raiva, rejeição e conformismo, atuações de superproteção e até pensamento e comportamento suicida.

Em mais de oito anos de experiência realizando grupos de família, podemos colher algumas atitudes caseiras de cuidadores que enfrentam esta situação: “Oro a Deus e faço pilates”; “Namoro bastante e como torta de chocolate”; “Dou uma volta no shopping”; “Faço um retiro na fazenda”; “Mando ele para casa do pai por um tempo”; “Divido o cuidado com minhas irmãs”; “Tenho um psicólogo para mim”; “Faço acupuntura”; “Mando ele calar a boca e me deixar em paz por umas horas” – Entre outras.

Algumas atitudes podem ajudar no processo de lidar com o paciente:

  • Não confrontar o delírio e a agressividade
  • Postura acolhedora, porém firme nas recaídas das drogas
  • Monitorizar os sintomas sinalizadores de crise bipolar
  • Vigilância das medidas na Anorexia
  • Aprender a identificar atuações emocionais que reforçam comportamentos inadequados
  • Consultar o psiquiatra mesmo sem a presença do paciente

Ainda assim, a informação especializada e condução por algum terapeuta pode tornar a atitude do cuidador cuidar de si mesmo mais eficiente, pois sem isso acabaremos por ter duas pessoas a serem cuidadas, e não apenas uma.

 

ENCONTROS HOLISTE | SEGUNDO EVENTO

O segundo evento do Encontros Holiste acontece no dia 26 de outubro, abordando os temas “Como lidar com a Dependência Química”, com o psicólogo Pablo Sauce e “Tratamento Ambulatorial e Internamento: Quando são necessários? ”, com a psiquiatra Fabiana Nery.

As inscrições devem ser feitas no site encontros.holiste.com.br.
Inscrições Gratuitas. Vagas limitadas.

inscreva se encontros holiste

 

Comentários

Inscreva-se para receber conteúdo sobre Psiquiatria e Saúde Mental

Cadastrar