Blog / Notícias

Como identificar os sintomas da dependência química | Para o Band Mulher por Dra. Paula Dione

Notícias 06/05/2019
Entrevista Dra. Paula Dione

Como base a polêmica da música Fábio Assunção, da banda Lá fúria, o Band Mulher aproveitou o tema e convidou a médica psiquiatra da Holiste, Dra. Paula Dione para uma entrevista e discutiu o tema da dependência Química.

 

O que é dependência química?

A dependência química é definida como um conjunto de fenômenos comportamentais, cognitivos e fisiológicos, que se desenvolvem após o uso repetido de determinada substância. Pode estar relacionada a uma substância psicoativa específica (cigarro, álcool ou cocaína), a uma classe de substâncias (opioides) ou a um conjunto mais vasto de diferentes substâncias.

Questionada em como funciona a dependência química no ser humano, dra. Paula cita: Que o comprometimento social num individuo às vezes chega antes mesmo da dependência química propriamente dita.

“A Dependência tem critérios e diagnósticos estabelecidos, existe todo um componente pré-estabelecido para identificar quando um individuo se encontra realmente dependente a uma substancia química. “

A dependência Química e o Sistema Nervoso Central

A dependência química afeta o sistema nervoso central e a capacidade do indivíduo em ter alto controle, em dar respostas aos estímulos.

Quando essa capacidade é comprometida por conta do uso dessas substancias o sistema nervoso central é afetado gerando a dependência.

É claro isso tudo depende de fatores como: tempo de uso, da frequência, e etc. Tudo isso é levado em consideração na identificação destes pacientes.

Os estágios da dependência Química

Existem dois tipos de estagio, o inicial e o dependente químico. O inicial é a descoberta, a necessidade do experimentou, o “social”.

Já o dependente químico, este é considerado quando o indivíduo tem prejuízo pessoal ou social, ou seja, o individuo passa a se ausentar das coisas que gosta, faltar no trabalho, se afastar da família e torna-se diferente socialmente.

O que fazer após a identificação da dependência Química

Para Dra. Paula este é um momento precioso, visto que por trás destes sintomas existe um individuo que acha que não é dependente, que consegue parar a qualquer momento e não se percebe já tomado pelo vicio e todas as sensações associadas a ele que causam a dependência. A qualquer percepção destes sintomas já se cabe tratamento psiquiátrico e ajuda terapêutica.

O Álcool e a dependência Química

O álcool deprime justamente os freios do indivíduo, provocando a perda da inibição. A sensação inicial é de bem-estar e euforia, O indivíduo fica mais solto, mais falante, mais disponível. Desta forma, a sensação inicial é de felicidade e liberdade, porém à medida que as doses aumentam e o nível de álcool vai aumentando na corrente sanguínea e sintomas como a sonolência, diminuição dos reflexos, aparecem e dão início a depressão do sistema nervoso central comprometendo o controle do indivíduo.

“ O álcool engana mesmo, passa aquela impressão de sou forte, eu posso fazer tudo, mas na realidade ele só faz inibir um pouquinho seu freio, te deixando com a sensação de mais grandiosa e mais disponível, porém o álcool é uma substância química que leva facilmente o indivíduo a depressão e até mesmo ao coma alcoólico se a ingestão for muito alta”, finaliza Dra. Paula.

Comentários

Inscreva-se para receber conteúdo sobre Psiquiatria e Saúde Mental

Cadastrar